31 de agosto de 2010

Crianças participam de atividades de combate à discriminação racial


O tema “Consciência Negra” foi abordado de uma forma bem lúdica pela escritora Madu Costa na Unidade Municipal de Ensino Infantil (Umei) Aarão Reis. Mais de cem crianças de seis meses a cinco anos ouviram histórias e cantaram cantigas sobre o tema. A iniciativa faz parte do plano de ação desenvolvido desde o ano passado pelas professoras Edilene Lopes, Maria Aparecida Castro e Idelsa Alves do Carmo Cardoso, que passam por curso de pós-graduação em História da África na Universidade Federal de Minas Geais (UFMG).
Madu Costa é professora da Rede Municipal de Ensino e tem cinco livros publicados. “Me chama a atenção a falta de representação das crianças negras nos textos e nas ilustrações. É como se o negro fosse invisível. As crianças negras não se identificam na TV, nos livros e nas revistas. O negro é percebido, dentro deste universo midiático como marginal, subalterno e favelado. A consequência disto é a negação. Ninguém que ser negro.” Madu Costa enfatizou que a lei 10.693, que institui a obrigatoriedade do ensino da história da África nas escolas de Ensino Fundamental, foi um grande impulso para a mudança. “Mudar da negação para a afirmação requer uma atitude radical. Esta atitude está no campo da individualidade, mas a mudança também passa pelo coletivo e é aqui, na infância, que começamos a transformar esta realidade”.
...Fonte: "Prefeitura de BH"

30 de agosto de 2010

A paritr de quarta, motorista terá de transportar criança de 1 a 4 anos em cadeirinha

O uso da cadeirinha para crianças em automóveis passará a ser obrigatório em todo o país a partir da próxima quarta-feira (1º). O motorista flagrado transportando crianças sem o equipamento será multado, sendo que o não cumprimento da legislação é considerado uma infração gravíssima. O objetivo é garantir maior segurança, e o transporte de crianças sem o equipamento acarretará multa de R$ 191,54 e sete pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH), além de o veículo ficar retido até sua regularização, com a colocação do assento específico.
...Fonte:"Jornal Hoje em Dia"

Mais oito radares entram em operação nesta 2ª em BH



Motoristas apressados serão fiscalizados por mais oito radares a partir desta segunda-feira (30), em Belo Horizonte. Os equipamentos ficam nas avenidas Heráclito Mourão de Miranda (Bairro Santa Terezinha), Carlos Luz (Bairro Sumaré), Olinto Meireles (Barreiro de Baixo) e em cinco pontos da Antônio Carlos (nos bairros São Cristóvão e Cachoeirinha).
Somados aos três radares em operação desde o último dia 17, 11 dos 15 novos aparelhos de controle de velocidade já estão flagrando condutores fora da lei. Faixas de pano informando os motoristas foram instaladas em todos os locais que serão fiscalizados. Os equipamentos foram aferidos pelo Instituto de Pesos e Medidas de Minas Gerais.
No dia 6 de agosto, entraram em vigor os contratos emergenciais para o serviço de radares de velocidade realizado na capital mineira. Nesses contratos são utilizadas como fornecedoras as quatro empresas participantes da atual licitação, em curso desde de outubro de 2009. Como previsto, o número de radares fixos operados pela BHTrans na cidade será aumentado de 37 para 50 equipamentos. Dos 37 atualmente em funcionamento, dois foram desativados e instalados em novos locais. Sendo assim, serão 15 novos locais com radares.
Segundo a BHTrans, os novos contratos emergenciais foram firmados com conhecimento do Ministério Público de Minas Gerais.
...Fonte: "Jornal Hoje em Dia"

27 de agosto de 2010

Clima de deserto em Minas, com umidade do ar em 10%


O tempo seco dos últimos dias colocou boa parte dos municípios mineiros em alerta. De acordo com o meteorologista Ruibran dos Reis, do Minas Tempo, a situação mais crítica foi vivida nesta quinta-feira (26) em Uberaba, no Triângulo Mineiro, que registrou 10% no índice de umidade relativa do ar, um clima considerado de deserto pela Organização Mundial da Saúde (OMS).
Na mesma região, Conceição das Alagoas marcou 12%. Outra cidade que sofreu com o ar seco foi Passos, no Sul de Minas, com 13%. E a capital mineira não ficou atrás: à tarde, viveu o seu menor índice do ano, 17%, de acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). O resultado é um grande desconforto para a população, com tosse, garganta seca e até mesmo nariz sangrando. Em casos mais extremos, pode causar pneumonia.
Ruibran dos Reis destaca que a situação vivida no Estado é a mais crítica desde 1986, em função da sequência dos dias secos. E o sufoco deve permanecer por mais alguns dias, como prevê o Inmet. O calor só começará a ser amenizado a partir da quarta-feira (1º), quando a massa de ar quente perde a intensidade. Mesmo assim, de acordo com Claudemir de Azevedo, do 5º Distrito de Meteorologia, a umidade relativa do ar só vai chegar a índices considerados ideais pela OMS (acima de 60%) a partir da segunda quinzena de setembro.
E neste estado de alerta, a recomendação da OMS é evitar atividades físicas ao ar livre das 10 às 17 horas. Dica que vem sendo seguida à risca pela consultora organizacional Rosilene Grossi, 43 anos. Diariamente, ela pratica caminhada na Praça JK, no Bairro Sion, Região Sul da capital.
“Sempre preferi o horário da manhã, ainda mais agora. A diferença é que paro com mais frequência no bebedouro, mesmo não tendo sede, para me hidratar”, conta Rosilene. Já em casa, ela está utilizando um vaporizador no quarto dos filhos. “Mesmo assim tenho a sensação de garganta e olhos secos”, completa. Mesmo desconforto diz sentir o empresário Fernando Vieira da Silva, 47 anos. Ele ressalta que a caminhada diária acaba ficando prejudicada por causa de pigarros e dificuldades para respirar. “O ar fica mais quente e eu acabo caminhando menos. Mas não deixo de tomar água de coco”.
E não são só os humanos que se incomodam com o tempo seco. Os animais também sentem os reflexos. A dona de casa Osvaldina de Almeida, 72 anos, conta que ela e o marido, João de Almeida Silva, 75 anos, caminham sempre pela manhã com o cachorro da raça Akita. “Ele (o cão) não é de tomar muita água, mas, nos últimos dias, está bebendo demais. Além disso fica mais prostrado por causa do calor”, garante ela.
Se a secura incomoda até mesmo os bichos, o que dizer então dos alérgicos? O médico Rogério Pereira Bopp, do Instituto de Otorrino, em Belo Horizonte, afirma que a saúde dessas pessoas mais sensíveis tende a piorar em função da mudança de temperatura. “É preciso pequenos cuidados, mas de grande eficiência, para não prejudicar o sistema respiratório”, recomenda o especialista. Atitudes simples, como colocar uma toalha molhada no quarto na hora de dormir. “É tão eficiente quanto o umidificador”, garante o médico.
Segundo Bopp, o atendimento no Instituto aumentou 30% nas últimas semanas. Entre as pacientes está a filha da funcionária pública Evelin Najem, 47 anos. Flávia Najem, 7 anos, sofre de rinite e, ontem, pela manhã, teve uma crise. “No tempo seco, ela sempre piora, mas agora está demais”, disse a mãe.
Além da rinite, nesta época de tempo seco, de acordo com especialistas, é preciso atenção especial para as pessoas com problemas do coração, já que podem sofrer aumento da pressão arterial e arritmia cardíaca. Poluição é outro agravante. O bombeiro Marlon Gomes, morador de Sarzedo, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), conta que o céu está sempre nublado e esfumaçado na região, que abriga diversas indústrias. O resultado é sentido imediatamente pela filha dele, Letícia, 3 anos, e a mulher Liliana, 29 anos.
“Elas têm rinite e, nestes últimos dias, estão sofrendo bem mais. De manhã, quando o sol começa a nascer, a neblina que se forma mostra o grau de poluição”, disse o bombeiro. A umidade do ar vem registrando índices baixos também em Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins, Rondônia, Maranhão, Pará, Piauí, Bahia, Brasília e São Paulo.
...Fonte: "Jornal Hoje em Dia"



25 de agosto de 2010

Zoo-Botânica oferece treinamento para cadetes do Corpo de Bombeiros


Cerca de 60 cadetes do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais participaram do treinamento “Contenção Física de Animais Selvagens”, realizado pelo Jardim Zoológico da Fundação Zoo-Botânica de Belo Horizonte. O evento teve como objetivo oferecer informações sobre equipamentos e técnicas utilizados para a contenção de animais silvestres que costumam ser resgatados por esses profissionais.
O treinamento ocorreu entre os meses de maio e agosto com a supervisão de veterinários do Jardim Zoológico que, em um primeiro momento, fizeram uma exposição teórica sobre os cuidados necessários durante a captura de animais, no sentido de garantir a segurança das pessoas e também a saúde das espécies. Além disso, tratadores e estagiários colaboraram no momento da prática.
De acordo com o tenente do Centro de Ensino do Corpo de Bombeiros, Elias José Luciano, o treinamento oferecido é muito importante, pois complementa uma das disciplinas oferecidas pela corporação.
O cadete Douglas Batista de Jesus diz que as técnicas de captura servirão na formação dos futuros comandantes junto a equipes do interior. “O objetivo principal é adquirir o conhecimento adequado para prestar um serviço de qualidade para a própria população, além de provocar o menor dano aos animais”.

Relevância

O veterinário da FZB-BH, Herlandes Tinoco, reafirma a relevância deste treinamento. “Os bombeiros são constantemente solicitados a fazer contenções físicas de animais selvagens pela população. Ter noção dos efeitos do estresse, das técnicas corretas de captura e acomodação dos animais aumenta consideravelmente o sucesso da operação", explica.
Para a contenção física de animais selvagens deve-se levar em consideração alguns fatores como os mecanismos de defesa de cada espécie, o comportamento e o grau de estresse no momento da captura, a agilidade, a decisão e o bom senso de quem faz o resgate, além do uso adequado dos equipamentos de segurança. Para a demonstração das técnicas na FZB-BH foram utilizados o ouriço-cacheiro, a píton-albina, o tamanduá-mirim, o gambá, a arara-canindé, a jiboia e o lobo-guará.
...Fonte: "Prefeitura de BH"

23 de agosto de 2010

BH quer alcançar a marca de 100 parques até 2020


A Belo Horizonte centenária quer alcançar os três dígitos também em número de parques públicos antes de findar a segunda década deste século. Até 2012, a capital mineira vai ganhar nove parques, ampliando o número de áreas verdes na cidade, que hoje somam mais de 8,5 milhões de metros quadrados.
Até o final deste ano, a legislação excessivamente proibitiva dessas áreas será revista, o que possibilitará aos belo-horizontinos diversificar práticas desportivas e de lazer em muitos desses logradouros, como andar de bicicleta, patins e até mesmo passear livremente com suas mascotes.
Recém-concluído, o diagnóstico dos 69 parques municipais existentes na capital resultou na classificação de cada área, que passarão a ser exploradas de acordo com suas características, entre naturais, recreativas e históricas. De acordo com o diretor de Planejamento da Fundação de Parques Municipais, Jorge Espeschit, assim que o projeto for votado no Legislativo serão formuladas as novas regras, desta vez mais permissivas.
“Do ponto de vista formal, a prefeitura sempre tratou as possibilidades de uso dos parques da cidade com base nas legislações estadual e federal, que são extremamente proibitivas. Em tese, os usuários deveriam agendar visitas em função do grau de restrições”, observa.
“A prioridade é a preservação de recursos naturais, deixando claro que parques não são praças. Nessas áreas protegidas existem fauna, flora, nascentes, biomas importantes, como nos parques das Mangabeiras e Fort Lauderdale, onde há vegetação de canga, que ocorre apenas nessas regiões, além da fauna e flora com características específicas”, completa.
Iniciado em 2009, o diagnóstico de cada área detectou as características específicas. A tendência, segundo Espeschit, é promover a reforma do antigo regulamento tratando dessa diversidade. Segundo ele, nas áreas naturais serão mantidas restrições vigentes, como no Mangabeiras, Ageu Pio Sobrinho, Burle Marx e Ursulina Mello, onde é comum a soltura de animais exóticos, como tartarugas, micos e peixes. Ao portar doenças, sobretudo pneumonia, as espécies introduzidas acabam contaminando os animais da fauna endêmica.
Projeto-piloto visando a alteração de regras foi implantado no Parque Orlando de Carvalho Silveira, na Região Nordeste, onde os frequentadores podem entrar de bicicleta e com animais de estimação, “privilégio” consentido em poucas áreas da cidade, como o Parque Rosinha de Cadar, na Zona Sul, onde acontece encontros de cães todos os sábados. “É imprescindível que a cidade abra mais espaço para que possamos levar nossos cães para passear”, defende o empresário Douglas Rodrigues.
Para o vigilante Geraldo da Silva, que vê no Parque Municipal Américo Renné Gianetti um dos locais mais aprazíveis da cidade, a revisão das regras atuais será decisiva para que cada vez mais famílias frequentem essas áreas públicas. “Minha filha, por exemplo, sempre insiste em levar nosso cãozinho para passear. Não é nada fácil convencê-la de que essa prática ainda é proibida em parques que frequentamos”, lamenta. Os novos parques que serão implantados nos próximos dois anos foram definidos por meio do Orçamento Participativo.
Ainda segundo Espeschit, o Programa Drenurbs/Nascente, implementado em fases sucessivas, está promovendo a despoluição dos cursos d’água, a redução dos riscos de inundação, o controle da produção de sedimentos e a integração dos recursos hídricos naturais ao cenário urbano.
Após o saneamento, assegura ele, o entorno das nascentes será transformado em parques ecológicos oferecendo áreas de lazer e descontração para a população moradora da região.
Estão previstos dois novos parques, nas bacias dos córregos Bonsucesso, na Região do Barreiro, e Engenho Nogueira, na Pampulha. Dois outros funcionarão no Bairro Isidoro, Zona Norte, com mais de 500 mil metros quadrados de área verde. Os demais estão previstos para o Morro das Pedras, Serra, São Bernardo e Bonsucesso. Outra meta da PBH é municipalizar o Parque Estadual da Baleia, que passará a integrar o complexo da Serra do Curral.
A instalação de áreas específicas para a convivência de cães em parques de maior porte, como ocorre em grandes capitais, deverá ser adotada pela Fundação Municipal de Parques e Jardins de Belo Horizonte. A mobilização da comunidade, pondera Espeschit, é fundamental para conciliar a preservação e o uso dessas áreas.
...Fonte: "Jornal Hoje em Dia"

20 de agosto de 2010

Venda de inverno 25% melhor deixa shoppings centers de BH otimistas


Com crescimento médio de 25% nas vendas neste ano, em relação ao mesmo período de 2009, e o apoio do frio mais intenso nesta estação, os shoppings de Belo Horizonte comemoram bons resultados com o encerramento das promoções de inverno. Para os próximos meses, em que estará nas vitrines a coleção primavera-verão, lojistas esperam manter os índices alcançados até o momento e superar resultados de crescimento planejados para o fechamento do ano, que gira em torno de 15%, de acordo com a maioria dos administradores dos shoppings. Os principais centros de consumo promovem eventos especiais para o lançamento de coleções enquanto se preparam para as campanhas de Natal, no final do ano.
Esse é o caso do BH Shopping, que lançou nesta quinta-feira (19) a exposição Moda e Cinema, aberta ao público gratuitamente até o dia 12 de setembro. A mostra, que custou ao shopping R$ 270 mil, foi planejada para marcar a entrada da coleção primavera-verão e deixar mais evidente a mudança das vitrines. A exposição é composta por fotos de desfiles e por criações dos estilistas mineiros Ronaldo Fraga, Graça Otoni, Victor Dzenk e Tereza Santos, tudo com inspiração no cinema.
“A moda vive desse ambiente de glamour e arte. Os grandes eventos que reúnem os estilistas funcionam como uma plataforma de negócios”, observa a coordenadora da mostra, Tereza Santos, que inspirou sua nova coleção no filme Lê Diable Blond, de Jean-Luc Godard.
A gerente de marketing do BH Shopping, Lívia Paolucci, explica que o crescimento do centro de compras no período de inverno foi de 19% em relação ao mesmo período do ano passado. Para a próxima estação, entretanto, haverá um salto significativo em vendas, entre 30% e 40%, devido à entrada de mais 80 lojas no mix do shopping, que está em obras para ganhar mais um andar.
No Shopping Del Rey, o inverno de 2010 está 25% melhor que o do ano passado. Mas a gerente de marketing Andrea Fernandes lembra que 2009 é um ano ruim para comparações. “Mas esperamos continuar alcançando crescimento entre 20% e 25% nesse segundo semestre. Os lojistas estão trocando as vitrines, alguns até ostentam as duas estações, colocando lançamentos e promoções lado a lado”, afirma. O Del Rey lança hoje a liquidação Ponto Mix, que vai até domingo, dia 20 de agosto.
Para Lucy Jardim, gerente de marketing do Minas Shopping, mesmo com um tíquete médio menor, a coleção primavera-verão acaba sendo melhor que a outono-inverno porque tem maior duração, indo de setembro a março. No Minas Shopping, o fechamento do inverno ficou estimado como 16% melhor que no ano passado, o que já bateu a média de crescimento esperada no ano, que ficaria entre 13% a 14%.
O Pátio Savassi também conta com a abertura de novas lojas para alavancar as vendas do período e avalia um crescimento de 14% no segundo semestre. Já no Shopping Cidade, julho foi melhor 17,5% em comparação a igual mês de 2009, e o primeiro semestre teve balanço positivo de 16,13%. A gerente de marketing Carolina Vaz avalia que a melhora do poder aquisitivo, o acesso ao crédito, o inverno mais frio e as ações promocionais do shopping formaram um conjunto favorável para o crescimento das vendas.
... Fonte: "Jornal Hoje em Dia"

18 de agosto de 2010

Novo galpão para processamento de materiais recicláveis amplia mercado para catadores



O prefeito Marcio Lacerda inaugurou o sétimo Galpão para Processamento de Materiais Recicláveis, Granja de Freitas. Localizado na rua São João Soares Senna, s/nº, no bairro Alto Vera Cruz, na região Leste, o novo galpão é utilizado para processar os resíduos recolhidos na coleta seletiva realizada pela Prefeitura. Com investimento de aproximadamente R$ 2 milhões, o galpão Granja de Freitas é o primeiro empreendimento projetado pela Superintendência de Limpeza Urbana (SLU) em Belo Horizonte. O evento contou com a participação de catadores de materiais recicláveis, do superintendente da SLU, Eduardo Dias Hermeto e autoridades municipais.
Durante a abertura, Marcio Lacerda salientou que o novo empreendimento vai ser fonte de emprego e renda para 100 catadores, aproximadamente, além de colaborar com a inclusão social. “O trabalho desses profissionais é muito importante não só no aspecto ambiental de proteção a natureza, mas também a inserção social através da dignidade do trabalho dessas pessoas marginalizadas que não teriam outra oportunidade e, por meio da reciclagem, estão adquirindo a sua dignidade, autoestima e, principalmente, a sua fonte de renda”, afirmou.
O superintendente de Limpeza Urbana, Eduardo Hermeto, afirmou que a inauguração do novo galpão serve de exemplo de trabalho que a Prefeitura, por meio da SLU, vem desenvolvendo na questão do lixo na capital. “Esse é um dia especial para a SLU e, principalmente, para toda a cidade. A nossa missão é fazer com que a capital se torne cada vez mais bela e limpa. Esta é uma meta que estamos cumprindo com toda a dedicação e empenho”, assinalou.
Ao final da solenidade, cerca de 35 crianças da Escola Municipal Padre Francisco, que participam do Programa do Escola Integrada, apresentaram a oficina de percussão para o público.

Estrutura

Com uma área de aproximadamente 1.500 metros quadrados, o novo espaço vai beneficiar até 8 mil quilos de lixos recicláveis por dia. Para viabilizar o processo, o local foi equipado com um guindaste giratório para uma tonelada, duas balanças digitais para mil quilos, duas prensas hidráulicas, um fragmentador de papel, um triturador de vidros, quatro carrinhos para fardos, quatro carrinhos para big bags e uma balança rodoviária. Os catadores terão à disposição quatro armários para vestiários, dois aquecedores de marmitas e dois bebedouros.



O diretor de planejamento da SLU, Lucas Gariglio, afirma que o espaço está em funcionamento desde o dia 8 de junho desse ano e que já conta com o trabalho de 35 catadores da Cooperativa Solidária de Trabalhadores e Grupos Produtivos da região Leste (Coopesol – Leste). “A vantagem desse galpão é que ele proporciona uma simplicidade de operação, ou seja, ele foi planejado para facilitar a triagem manual. Além disso, ele não é um galpão extremamente complexo do ponto de vista de tecnologia”, disse.
A moradora do bairro Granja de Freitas, Corina Viana dos Santos, que trabalha na triagem dos materiais reciclagem desde o início do funcionamento, acredita que o novo empreendimento foi uma grande conquista para os catadores. “Depois de ficar 30 anos sem emprego, estou aqui trabalhando para sustentar os meus três filhos”, contou.
Os resíduos provenientes da coleta seletiva em Belo Horizonte são destinados para as associações e cooperativas de catadores integrantes do Fórum Municipal Lixo e Cidadania. Em 2009, foram recolhidos cerca de 900 toneladas por mês de material da capital.
...Fonte: "Prefeitura de BH"

17 de agosto de 2010

BH recebe festival que incentiva preservação do meio ambiente por meio da reciclagem


Com o tema “Reciclando Atitudes”, começou em Belo Horizonte o 9º Festival Lixo e Cidadania, realizado pelo Instituto Nenuca de Desenvolvimento Sustentável (Insea), em conjunto com o Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis, Fórum Estadual Lixo e Cidadania, Rede de Educação Cidadã e Serviço Voluntário de Assistência Social (Servas). Até sábado, dia 21, feiras, shows e exposições podem ser conferidos na Serraria Souza Pinto (avenida Assis Chateaubriand, 809, Centro) e no Centro Mineiro de Referência em Resíduos (avenida Belém, 40, Esplanada). O evento tem o objetivo de incentivar técnicas de preservação do meio ambiente por meio da reciclagem e mobilizar a sociedade em torno da importância do catador de papel como agente social.
O festival foi aberto, na Serraria Souza Pinto, com a presença do prefeito Marcio Lacerda, da ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Marcia Lopes, além de representantes dos catadores de materiais recicláveis de 16 estados brasileiros. Marcio enfatizou o trabalho realizado pelos catadores e afirmou que é preciso mudar o comportamento da população em relação a esses profissionais. “É necessário trabalhar com urgência a mudança de comportamento da sociedade em relação à produção de resíduo, à reciclagem e à importância dos catadores, que são verdadeiros agentes sociais”, disse.

Linha de frente

Durante a cerimônia de abertura, o coordenador do Movimento Nacional de Catadores de Materiais Recicláveis (MNCR) em Minas Gerais, Luiz Henrique Silva, assinou um termo de adesão entre a instituição e os municípios de Itaúna, Machado e Nova Lima, que prevê a contribuição do governo municipal na contratação de cooperativas de catadores para a realização da coleta seletiva junto às comunidades.
Luiz Henrique destacou que o Brasil está na linha de frente quando se fala em reciclagem e em inserção social dos catadores e que o MNCR vem avançando muito nos últimos anos. Segundo ele, um evento como o Festival Lixo e Cidadania é uma boa oportunidade de interação entre os profissionais da categoria e os representes do governo. “A ideia é compartilhar as propostas com o poder público, para que todos estejam envolvidos no mesmo objetivo”, afirmou.
Desde ontem, catadores, ambientalistas, acadêmicos e demais interessados debatem temas como pagamento pelos serviços ambientais urbanos e a incorporação formal dos empreendimentos dos catadores na prestação de serviços da coleta seletiva. Neste ano, o Festival Lixo e Cidadania inova, oferecendo oportunidade aos catadores e representantes da sociedade civil, que, além de ouvir especialistas das áreas pública e privada, poderão participar ativamente dos debates. Entre quinta e sábado, dias 19 e 21, a programação inclui exposições de artistas plásticos brasileiros e franceses, além dos shows de Pedro Luis e a Parede, Orquestra Contemporânea de Olinda, Bossacucanova e Casuarina, entre outros.
...Fonte: "Prefeitura de BH"

Ventania diminui, mas frio deve continuar até quinta


O deslocamento de uma massa de ar polar, vinda do sul do país, em direção à Região Sudeste, deve manter as temperaturas em baixa em Minas Gerais até a próxima quinta-feira (19). O avanço da frente fria provocou, na madrugada de domingo (15) para segunda-feira (16), queda brusca de temperatura, sobretudo nos municípios do Sul do Estado, onde chegou a gear em pontos isolados. A menor temperatura em Minas, de menos 0,9ºC, foi registrada em Maria da Fé.
Na capital, a mínima registrada foi de 10,4ºC, mas ventos constantes e fortes, com velocidade média de 40km/h, aumentaram a sensação de frio na manhã desta segunda-feira. De acordo com o meteorologista Félix de Araújo, do Centro de Climatologia Tempo Clima/Pucminas, nos próximos dois dias, em Belo Horizonte, a temperatura deve ficar entre 10 e 22ºC, patamar semelhante ao registrado nesta segunda-feira, porém, os ventos perdem força, o que trará mais conforto térmico ao belo-horizontino. A longa estiagem mantém baixa a umidade relativa do ar, em torno dos 40%.
Quem saiu cedo de casa, na capital, se surpreendeu com o frio e com o vento gelado que soprava sem parar. O motorista aposentado Célio Pereira da Silva, de 63 anos, aguardava, sem agasalho, sentado num banco da Praça da Liberdade, “o tempo melhorar”, para conseguir cumprir uma longa agenda de compromissos. “Como tinha sol, achei que o tempo fosse esquentar, por isso não me preocupei em pegar uma blusa. Mas até agora nada. Acho que vou ter que encarar o frio, porque tenho muita coisa para resolver aqui no centro, e não dá para voltar em casa e pegar um agasalho. Moro muito longe, em Ribeirão das Neves”, reclamou.
...Fonte: "Jornal Hoje em Dia"

16 de agosto de 2010

Paralisação dos rodoviários atinge moradores de Nova Lima

Sem acordo, o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Belo Horizonte e Região (STTRBH) não dá trégua e inicia nova paralisação parcial.
Duas empresas de Nova Lima, na Região Metropolitana da capital, não saíram das garagens e deixaram os passageiros sem transporte público na cidade, na manhã desta segunda-feira (16). Segundo o sindicato, 40 mil pessoas podem ser diretamente afetadas pelo movimento. Todas as empresas de Caeté, na Grande BH, também estão paradas.
Os pontos de ônibus amanheceram lotados e os usuários reclamam que foram pegos de surpresa. “Meu filho e eu estamos esperando há horas no ponto. Pegar táxi é muito caro e não temos outro meio de transporte para trabalhar”, disse a cuidadora de idosos Maria Deusdedith Faria. De acordo com coordenadores do sindicato, a paralisação acontece de foram alternada e sem aviso prévio, para não perder o “fator surpresa”.
Uma das viações que aderiu à paralisação foi a Novalimense, da Turilessa, grupo empresarial de transporte coletivo da Saritur. Apenas por essa empresa, deixam de circular 80 carros de sete linhas, entre elas: Nova Lima-BH, Rio Acima-BH e Raposos-BH. Segundo o motorista e delegado do sindicato, Leonardo Soares, essa empresa disponibilizou quatro ônibus gratuitos para buscar os funcionários em casa para trabalharem. “O objetivo seria fazer os trabalhadores furarem a greve, o que não aconteceu”, afirmou. Houve um princípio de tumulto e a polícia foi chamada para garantir a segurança dos envolvidos. A direção da empresa não quis comentar o assunto.
Outra viação que está paralisada é a Via Ouro, da empresa PH Transportes, responsável por cerca de 40 veículos, entre ônibus que circulam nos bairros e escolares que atendem à prefeitura de Nova Lima.
Segundo Lídio Costa, diretor de relações sindicais do STTRBH, enquanto não houver negociação com os patrões, 100% dos carros continuarão parados. Os trabalhadores reivindicam o cumprimento da convenção trabalhista assinada em março deste ano. Na pauta, está o fim dos ônibus sem cobrador, implantação de planos de saúde e programa de Participação em Lucros e Rendimentos (PLR).
De acordo com o soldado Paulo Henrique Oliveira, da 1ª Companhia da Polícia Militar, muitas viaturas e policiais estão nas ruas para garantir a segurança de motoristas, cobradores e passageiros. Um número maior de carros da PM foi deslocado para o Centro de Nova Lima e o Bairro Campo do Pires, onde ficam, respectivamente, as garagens da Novalimense e Via Ouro. “Durante a manhã e madrugada não houve violência ou grandes tumultos”, afirmou o soldado.
...Fonte: "Jornal Hoje em Dia"

14 de agosto de 2010

Diversão na hora de ‘espantar’ a poliomielite


Além de receber o reforço da vacina contra a poliomielite, a chamada paralisia infantil, as crianças com menos de 5 anos poderão se divertir no sábado (14), das 8 às 17 horas, durante a segunda etapa da Campanha Nacional de Vacinação – a primeira aconteceu em junho. Alguns dos 7.285 postos de saúde espalhados pelo Estado vão promover uma programação especial, recheada de brincadeiras e atrações culturais. A expectativa é que mais 1,4 milhão de pessoas sejam imunizados em Minas, o que representa 95% do público alvo. O Estado está livre da doença desde 1987. O último caso foi registrado no município de Santa Maria do Itabira, na Região Oeste.
Em Belo Horizonte, cerca de 167 mil crianças estão convocadas a passar pelos 147 postos e outros 275 locais, como igrejas, praças e escolas, que vão disponibilizar as doses. A abertura oficial da campanha será realizada no Centro Esportivo Milionários (na Rua David Fonseca, 1.386), no Bairro Milionários, Região do Barreiro, a partir das 9 horas.
O local também abrigará em espaço dedicado à recreação. Então, enquanto cooperam para manter a poliomielite longe da cidade, os pequenos belo-horizontinos vão conferir apresentações de dança, curtir a música da banda SUScesso e participar de jogos de futebol e vôlei.
As demais regionais contarão com as tradicionais ruas de lazer, entre elas a Pampulha (no Centro de Saúde Ouro Preto – Rua Jonas Jean, 77, Bairro Ouro Preto) e a Leste (Centro de Saúde Marco Antônio de Menezes – Rua Petrolina, 871, Bairro Sagrada Família).
Os pais também vão poder colocar a caderneta de vacinação dos filhos em dia. É que doses direcionadas à imunização de outras enfermidades, como a hepatite B, febre amarela, rotavírus e complicações respiratórias (pneumocócica), também serão disponibilizadas nos postos.
A gerente de Vigilância em Saúde e Informação da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), Maria Tereza das Costa Oliveira, reforça a importância da presença e da cooperação de todos. “Mesmo aqueles que não tomaram a dose inicial em junho poderão agendar o reforço nas unidades de saúde”, explica.
...Fonte :"Jornal Hoje em Dia"

13 de agosto de 2010

PBH inaugura primeiro Creas da regional Oeste


Mais um Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) está em funcionamento em Belo Horizonte. A região Oeste ganhou sua primeira unidade, inaugurada por Márcio Lacerda durante as atividades do programa O Prefeito na Regional. Localizado na avenida Silva Lobo, 1.280, no bairro Nova Granada, o novo Creas presta serviços a indivíduos e famílias que tiveram seus direitos violados. Por meio de um conjunto de profissionais e processos de trabalho são oferecidos serviços especializados e acompanhamentos individual e em grupo.
Márcio salientou que, na área da Assistência Social, Belo Horizonte consegue dar bons exemplos e tem muito o que comemorar. Ele disse estar satisfeito em observar os avanços que foram previstos no programa BH Metas e Resultados. “A implantação de um Creas em cada uma das nove regionais da cidade irá facilitar a integração da rede de defesa e garantia de direitos. Temos que festejar esse avanço, que é muito significativo”, destacou Márcio. Incluindo a inauguração de ontem, cinco Creas já foram inaugurados na capital.
Secretário municipal adjunto de Assistência Social, Jorge Nahas explica que o Creas é um espaço que promove a organização dos serviços de média complexidade do setor. Segundo Nahas, são promovidos trabalhos com moradores de rua, deficientes, idosos, pessoas que perderam o vínculo familiar e que necessitam de atendimentos complexos. “É um conjunto de serviços que é oferecido de uma maneira mais direta”, afirmou o secretário.

Frentes de trabalho

Entre as ações do Creas, está o Serviço Especializado à Família e à Pessoa, com a oferta de atendimento psicossocial ao cidadão que foi vítima de qualquer tipo de violação de direitos como violência doméstica, negligência, abuso ou exploração sexual. Outra frente de trabalho é o Serviço de Abordagem, que atua diretamente com a população de rua. A equipe realiza encaminhamentos a serviços de saúde, retirada de documentos, abrigos e repúblicas, visando à saída da situação de rua em que se encontra. Também integra a iniciativa o Serviço de Medidas Socioeducativas, que atende adolescentes autores de infrações.

Crianças e adolescentes

O Creas conta ainda com unidades de atendimento na área central da cidade para crianças, adolescentes e adultos em situação de rua, tais como o Centro de Referência da Criança e do Adolescente (Praça Rui Barbosa, 50) e o Centro de Referência da População de Rua (avenida do Contorno, 10.852). Essas unidades oferecem atendimento diário, incluindo alimentação, higiene e oficinas socioeducativas. O atendimento nessas unidades tem também como objetivo favorecer a saída da situação de rua.

Conjunto Habitacional Mangueiras beneficia 144 famílias no bairro Betânia

Dentro das atividades do programa O Prefeito na Regional, Márcio Lacerda inaugurou o Conjunto Habitacional Mangueiras, no bairro Betânia, entregando à população 144 apartamentos, divididos em nove blocos. Márcio entregou à Sebastiana de Almeida, 91 anos, moradora mais idosa do conjunto, a chave do residencial, localizado na rua das Mangueiras, 120. Foram investidos R$ 6,8 milhões no empreendimento, que atende à Política Municipal de Habitação e contempla famílias integrantes dos Núcleos do Movimento de Luta por Moradia, participantes do Orçamento Participativo da Habitação e beneficiários do Bolsa Moradia.
Secretária regional Oeste, Neusa Fonseca destacou a importância da entregar de um novo conjunto habitacional aos moradores da região. “È muito gratificante entregar esse residencial. Através dele, oferecemos dignidade e socialização a essas pessoas”, afirmou. Neusa falou sobre a prioridade do projeto em facilitar o acesso das crianças à escola. Segundo ela, existem quatro escolas no entorno do conjunto, fator que influenciou na escolha do local para a construção.
Antes da mudança, a Prefeitura realizou, durante um ano, o Pré-Morar com os novos moradores do Mangueiras. A ação consiste na promoção de atividades informativas com as famílias, visando estabelecer um processo de socialização entre os beneficiários e a preparação para a mudança para um conjunto habitacional verticalizado.
Também foram discutidos com os participantes o processo de gestão condominial e a organização dos moradores no local. O trabalho social tem continuidade após a transferência das famílias, no próprio conjunto, e consiste na realização de iniciativas que visam à consolidação do condomínio, a educação sanitária, ambiental e patrimonial, além da capacitação profissional e geração de trabalho e renda.
William Rosa, síndico do conjunto e representante dos moradores na cerimônia de inauguração, disse que a moradia é um direito de todo cidadão, indispensável para constituir uma família. “Estaremos trabalhando para que novos residenciais sejam entregues à população. Agradecemos à Prefeitura pela ousadia de construir um conjunto como esse”, concluiu.
O prefeito Márcio Lacerda destacou a importância de reconhecer as principais necessidades da população e fazer um atendimento prioritário. “O nosso compromisso é de usar o dinheiro público com eficiência, respeitando os cidadãos, ficando sempre atentos ao compromisso social”, disse.
...Fonte: "Prefeitura de BH"

Paralisação parcial deixa 30 mil sem ônibus na Capital


Cerca de 300 ônibus, de 33 linhas, deixaram de circular em Belo Horizonte na manhã desta sexta-feira (13), devido à paralisação parcial dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Belo Horizonte e Região, que começou às 4 horas.
Mais de 30 mil pessoas teriam sido diretamente afetadas pelo movimento, segundo o Sindicato dos Rodoviários. A paralisação foi decidida durante uma reunião no início da noite de quinta-feira (12).
Pequenos piquetes de manifestantes que não quiseram deixar companheiros trabalharem forçaram a presença da polícia em algumas garagens, para que o direito de quem não quis aderir à paralisação fosse preservado.
De acordo com o coordenador político do Sindicato dos Rodoviários, Denilson Dorneles, as viações Zurick e Betânia aderiram ao movimento. Consequentemente, as estações Diamante e Barreiro estão paradas e o movimento de passageiros sem transporte é intenso.
Os reflexos da paralisação ainda não foram sentidos no hipercentro da capital. No entanto, o número de carros é maior no Anel Rodoviário, o que deixa o trânsito carregado nos bairros Betânia e Olhos D´Água, na Região Oeste.
O Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário alega que os donos das empresas de ônibus descumpriram a convenção trabalhista assinada em março deste ano. Motoristas e cobradores reclamam que não têm mais direito a plano de saúde e que os patrões não aceitam atestado médico como justificativa de falta. “Os funcionários têm ido trabalhar doentes e não tem a mínima condição de cuidar da saúde”, afirma Dorneles.
Os trabalhadores querem ainda a criação de um programa de Participação de Lucros e Resultados (PLR) e o pagamento dobrado em feriados trabalhados, retroativo a cinco anos.
De acordo com o Sindicato, a paralisação parcial pode se transformar em greve total, caso os rodoviários e os donos das empresas de ônibus não entrem em acordo.
Segundo agentes da BHTrans, das 23 linhas que atendem a Estação Diamante, apenas uma – que passa pelo Anel Rodoviário, BH Shopping, Savassi e região hospitalar - opera parcialmente. Dos 36 carros da linha 3050, apenas 11 estão circulando.

Piquetes e violência nas garagens

Houve tumulto nas portas de algumas empresas de ônibus durante esta madrugada. De acordo com o Sindicato, os piquetes foram feitos apenas nas garagens que não quiseram aderir à paralisação.
A Polícia Militar foi chamada para garantir a segurança de motoristas e cobradores resistentes ao movimento na Viação Betânia, na Região Oeste de BH.
O coordenador de imprensa do Sindicato, Carlos Henrique Marques, foi atropelado por um motorista de ônibus na porta da empresa. Ele contou que conversava com colegas quando foi surpreendido pelo veículo, que teria sido jogado para cima das pessoas. “Eu cheguei a ser atingido, mas consegui ficar de pé e não tive muitos ferimentos. Se meus companheiros não tivessem pulado, também seriam atropelados”, disse.
Carlos Henrique registrou um Boletim de Ocorrência para que o motorista do veículo, que teria fugido, seja punido.
A Polícia Militar também foi chamada à Estação Diamante, onde alguns passageiros ficaram revoltados com a falta de transporte. Apesar do clima tenso, não houve tumultos ou quebradeira.
... Fonte: "Jornal Hoje em Dia"

12 de agosto de 2010

Atrações para todos os gostos no encerramento do FIT-BH


Shows, performances e musicais ainda podem ser conferidos nos quatro últimos dias da décima edição do Festival Internacional de Teatro Palco & Rua de Belo Horizonte (FIT). E quem passou ontem pela manhã, próximo ao viaduto Santa Tereza, no Centro, viu uma cena inédita. Diversos sapatos espalhados na escadaria do Edifício Sulacap. Inspirado nos engraxates da capital, o projeto Paisagens Poéticas fez parte do festival, que se encerra no domingo, dia 15, e é um convite para vivenciar as expressões, os movimentos e os ritmos, unindo os espetáculos aos pontos turísticos da cidade. A programação completa está disponível no site www.fitbh.com.br/2010.
O projeto é uma intervenção urbana que se inspirou em crianças, carroceiros, moradores de rua e engraxates, pois estabelecem relações diferentes na cidade. A escolha dos engraxates foi pelo fato de estes profissionais trabalharem parados e percebendo o movimento de Belo Horizonte. “Queremos criar um cenário poético na cidade e quem passa cria o seu próprio sentido”, contou o ator Gustavo Bones.
Com o objetivo de sensibilizar o olhar de quem passa, a intervenção urbana percorreu os principais pontos da capital, como as praças Raul Soares e Sete e teve quatro apresentações: “Praça das Crianças”, “Carrociata Poética”, Caminhada Cênica” e “Engraxates”. Bones fez questão de destacar que a partir do convívio de afeto é trabalhada a construção de uma paisagem. “A rua é um espaço público, e assim, todos que transitam compõem o espetáculo, desde as pessoas até os ônibus que passam”.

Turismo

Para os amantes das artes cênicas, que vêm à cidade exclusivamente para o evento, o roteiro traz opções para todos os gostos e conciliam as apresentações e os pontos turísticos da capital. A programação em espaços abertos (ruas, praças e parques) é totalmente gratuita e as apresentações em palcos e espaços alternativos têm ingressos a preços acessíveis (R$ 24 a entrada inteira e R$ 12 a meia).
Com 16 anos de trajetória, o FIT é o maior e mais consolidado evento do calendário cultural de Belo Horizonte. O festival é realizado bienalmente pela Prefeitura, com parceria do setor privado. Com média de 150 mil pessoas por edição, o evento ultrapassa a marca de um milhão de visitantes na soma de todas as edições. Tendo sempre como critério central aliar qualidade e diversidade de linguagens artísticas, investindo na formação, na democratização de acesso e na internacionalização da capital, o FIT-BH é referência na cidade, cumprindo um de seus principais objetivos: projetar e inserir Belo Horizonte no circuito nacional e internacional das artes cênicas.
Não faltam atrações nos últimos dias, entre elas o espetáculo, inédito na América Latina, “Happy Days”, do diretor americano, Robert Wilson. A montagem, da companhia italiana Change Performing Arts, tem a atriz Adriana Asti como protagonista e estará em cartaz no Grande Teatro do Palácio das Artes sábado e domingo, às 21h30 e 21h, respectivamente. Baseada em um texto de Samuel Beckett escrito na década de 1960, a peça discute a fragilização do ser humano a partir dos efeitos do tempo e as possibilidades de ainda ser feliz. Na montagem, a personagem é vista como uma erupção no asfalto, um ser imóvel, rodeado por objetos organizados com precisão doentia, como se fosse uma bizarra composição do fotógrafo de naturezas-mortas Joel-Peter Witkin. A peça será apresentada com legenda.
Outro espetáculo que merece destaque é o monólogo “Simplesmente eu, Clarice Lispector”, dirigido e encenado por Beth Goulart, que será apresentado domingo, às 16h e às 18h30, no Teatro Sesiminas. A peça é um diálogo entre a autora e seus personagens sobre vida e morte, criação, Deus, cotidiano, palavra, silêncio, solidão, entrega, inspiração, aceitação e entendimento.
Beth falou sobre a importância do FIT e destacou os benefícios que o festival traz para a população. “A cidade ganha em todos os aspectos porque é uma mostra de artistas significativos que proporciona a chance do intercâmbio e do convívio de culturas diferentes, que se somam ao painel internacional da linguagem teatral”, disse. A atriz contou ainda que já esteve em Belo Horizonte com outros dois espetáculos e considera a cidade ideal para eventos como o FIT, porque, segundo ela, a população tem uma visão contemporânea da história, da literatura, da moda e do teatro.

Apesar da queda do número de casos, doença provoca alerta


Apesar de o número de casos de dengue em Belo Horizonte apresentar queda – foram 980 confirmações nos últimos sete dias contra 1.433 na semana anterior – as autoridades estão em alerta máximo. Isso porque os registros da doença aumentaram 1.815% de 2006 até 2009. De janeiro deste ano até agora, de acordo com o balanço da dengue divulgado nesta qarta-feira (11) pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS), a capital teve 63.981 notificações, das quais 49.023 foram confirmadas. Outros 4.038 exames aguardam o resultado.
A preocupação é válida porque o Ministério da Saúde (MS) anunciou que um novo subtipo da dengue pode ter chegado ao Norte do país. É o do tipo 4, que deixou de circular no Brasil há 29 anos. As autoridades de Saúde de Roraima aguardam o resultado de quatro exames para confirmar se o DEN-4 é o responsável pelos casos. “Já era de se esperar, pois este tipo está presente na Venezuela. Porém, nada poderia ser feito. Não temos como fechar as fronteiras. As pessoas estão viajando o tempo todo”, observa a infectologista e professora da Faculdade de Medicina da UFMG Regina Lunardi.
A especialista explica que o DEN-4 não é mais perigoso que os outros tipos. Porém, confirmada a aparição desse, toda a população pode estar sujeita a ser infectada. “Não temos imunidade”, alerta. E, ainda de acordo com ela, não é necessário ter tido os tipos 1, 2 ou 3 para contrair o mais novo. “Não é uma escadinha. Ao ser infectada, a pessoa fica imune para sempre àquele tipo que foi infectada. Durante três meses, ela também estará imune aos outros tipos, mas poderá tê-los depois. Nada impede de uma pessoa que nunca teve dengue contrair o tipo 4 agora”, salienta. O problema é quando uma pessoa contrai a primeira vez, seja ele qual for o tipo. Isso porque, na segunda vez que for contaminada, ela corre o risco de desenvolver a forma mais grave da doença.
Além do DEN-4, o secretário-adjunto de Saúde, Fabiano Pimenta, reiterou que o vírus DEN-1 foi reintroduzido no país. O auge dele foi em 1998, quando quase 90 mil pessoas foram infectadas na capital. Na época, foram três mortes. “Por isso um maior número de doentes hoje. Muitas pessoas não estão imunes a ele também”, afirma. Para o secretário, as mudanças climáticas dos últimos anos contribuíram em muito para o aumento dos casos de dengue não somente em Belo Horizonte, mas em todo o país.
O técnico em informática Tiago Silva, 21 anos, sabe muito bem o que foi essa explosão de casos em 2010. Na casa dele, no Bairro São João Batista, Região de Venda Nova, foram sete pessoas picadas pelo Aedes aepypti. “Começou comigo, há uns cinco meses. Depois foi meu irmão, minhas irmãs”, relembra. “Aqui em casa fazemos a nossa parte. O problema é que vizinhos não cuidam do próprio quintal”, afirma o músico Paulo Henrique Silva, irmão de Tiago.
A batalha contra a dengue poderia ser vencida se uma vacina já tivesse sido criada. Porém, a expectativa mais otimista do Ministério da Saúde é de cinco anos para ela começar a ser aplicada na população. O grande desafio, de acordo com o infectologista José Geraldo Ribeiro, é que existem quatro tipos de dengue. “A vacina tem que priorizar os quatro tipos de uma vez só, nem que seja em uma, duas ou três doses”, explica.

Típica de países em desenvolvimento

Apontada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como um dos principais problemas de saúde do mundo, a dengue é típica de países em desenvolvimento e com poucos recursos. Segundo especialistas da área de Saúde, esse seria um dos fatores para que as referências na fabricação de vacinas, instaladas em países mais ricos, não darem atenção ao problema. A entidade estima que, a cada ano, entre 50 e 100 milhões de pessoas são acometidas pela doença em mais de 100 países. Na Europa, no entanto, o número de casos é bem menor.
A professora Regina Lunardi destaca ainda que muitas pessoas tiveram dengue mas não sabem. Como os sintomas são muito parecidos, o infectado pode confundir com uma gripe. Para saber se já foi contaminado pela doença, o ideal seria fazer um exame de sorologia, que mede os níveis de anticorpos.
O infectologista José Geraldo pondera o combate à doença depende muito da população. “É não jogar garrafas pets pela janela do carro, não deixar água parada em casa. Medidas simples que poderiam evitar problemas mais sérios. Mas isso é negligenciado”, diz. No entanto, a estudante Joice Andrade Costa, 20 anos, reconhece que precisa redobrar os cuidados. Vítima da dengue em 1998, somente ontem ela percebeu que muitas garrafas plásticas estavam acumulando no quintal de casa. “Minha avó junta para uma senhora que vem aqui toda semana”, explica. Ontem ela resolveu recolher as garrafas.
A tia de Joice, a colhedora Elizabeth de Andrade Martins, 39 anos, não escapou da picada do mosquito. Há dois meses, foi infectada pela dengue. “Mas não senti tantas dores como as pessoas dizem sentir. Nem acreditei quando fui ao posto e disseram ser dengue”, conta. Para ela, a prevenção é fundamental. “Sei de pelo menos cinco vizinhos que tiveram dengue nos últimos tempos. Não sou muito de cobrar das pessoas, mas se vejo alguma coisa errada, falo”, afirma.
Tia e sobrinha moram em Venda Nova, a região com o maior número de casos confirmados de dengue. Até ontem, foram 11.354. Em seguida, aparecem a Norte, com 8.475, e a Noroeste, com 7.593. Para alguns moradores da região, os córregos contribuem para o problema. Ontem, o HOJE EM DIA flagrou dois carroceiros despejando entulhos num córrego localizado na Avenida Coronel Manoel Assunção, no Bairro Serra Verde. “Em dia de calor aqui fica insuportável, muito mal cheiro. Será que nada será feito?”, questiona o morador Renato Luis Rocha, 32 anos.

Córrego do Serra Verde é ameaça

Na Avenida República, no Bairro Jardim dos Comerciários, também em Venda Nova, um córrego tira o sossego dos moradores. Um deles é o aposentado Luis Ferreira, 47 anos. Para ele, as duas vezes que teve dengue, a última há cerca de dois meses, foi por culpa do local. “Tá cheio de garrafa aí dentro. Acumula água, né?”, diz.
A Secretaria Regional de Venda Nova, por meio da assessoria, informou que o córrego do Serra Verde será drenado assim que a Justiça decidir sobre a desapropriação de moradores nas imediações. Já na Avenida República, obras de drenagem serão iniciadas dentro de 15 dias. A limpeza nos locais é feita a cada quatro meses.
No combate à dengue, a Prefeitura de Belo Horizonte aposta nos mutirões e na mobilização da população. Na próxima segunda-feira, o mutirão acontece nas áreas de abrangência dos centros de saúde Ventosa, na Região Oeste; Felicidade I e II, na Região Norte; Santa Amélia, na Região da Pampulha. Na quinta-feira, a ação será realizada na área de abrangência do Centro de Saúde Mantiqueira, em Venda Nova. “Até agora fizemos 143 mutirões, com o recolhimento de 2 mil toneladas de lixo e 6.000 pneus”, enfatiza Pimenta.
... Fonte: "Jornal Hoje em Dia"

11 de agosto de 2010

Trechos inéditos aumentam a adrenalina no Rally dos Sertões, que começa hoje


Os competidores do 18º Rally dos Sertões começam a disputar a maior competição da categoria no Brasil nesta quarta-feira (11) e 16 mineiros estão entre os 223 aventureiros que buscam não apenas o pódio, mas principalmente concluir a prova. Em número de participantes, Minas tem 7% do total e está atrás apenas de São Paulo, que reina absoluto com 89 competidores (40%), e Rio Grande do Sul, representado por 17 (7,6%). O número de participantes mineiros e gaúchos é quase o mesmo que o de estrangeiros (19), que representam 8,5% do total.Mas Minas, comparativamente, está bem representada. Das quatro modalidades em disputa, o estado está presente nos carros (caminhonetes ou jeeps), nos caminhões e nas motos, sem concorrer apenas nos quadriciclos. Nas motos, são sete competidores, enquanto cinco seguem de caminhão e quatro de carro.
Um dos mineiros que estará na aventura é Marco Túlio Lana, que defende a equipe Lana Racing ao lado do navegador belo-horizontino Leonardo Magalhães. A dupla viajará a bordo de uma Pajero TR4R, motor 2.0l, 16 válvulas, com 131 cv de potência. Os mineiros competirão na categoria Production T2, na qual podem participar carros que têm seus respectivos modelos comercializados normalmente, para rua.
Entretanto, a diferença é que os de ralis têm limites de modificações na carroceria, além de outras exigências de preparação estabelecidas pela organização da prova.
Um dos pontos que mais atrai os mineiros e os demais competidores na prova é que até 95% dos trechos são inéditos, o que faz com que a disputa seja equilibrada a cada ano, já que ninguém conhecerá os trechos por onde passará.
Nesta quarta, os competidores largam às 9 horas, em Goiânia, e rumam em direção a Caldas Novas, onde dormem. Nesse trecho, os pilotos percorrerão 204 quilômetros, sendo 133 de especiais cronometrados. Na quinta-feira (12), os pilotos saem de Goiás e entram no território mineiro, depois de oito anos sem passar pelo Estado. Nesse segundo dia de provas, eles percorrerão 446 quilômetros, divididos entre 230 quilômetros de deslocamento e 214 de especiais, até chegar em Unaí, no Noroeste do Estado.
A despedida de Unaí será na sexta-feira (13). Os pilotos voltam para o território de Goiás, rumo à cidade de Alto Paraíso. Serão 356 quilômetros, sendo que 240 deles de especiais. Os competidores passarão por mais sete cidades até chegar a Fortaleza, dia 20, onde estará a linha de chegada.

Do céu, aviadores ‘protegem’ competidores

A segurança dos pilotos e navegadores que competem no Rally Internacional dos Sertões não virá apenas de ambulâncias que fazem a guarda na terra, mas também de aviadores nos ares. Integrante da operação aérea da maior competição off road do Brasil, Cláudio Ambiel, também conhecido como “Pelicano”, vai para o seu 12º ano nesta função na aventura.
A operação aérea da prova é composta por dois aviões. Um Glastar comandado por Marcos Moraes, organizador do Rally dos Sertões, e um Cessna 172RG, pilotado por Ambiel. “Cada aeronave tem um espaço aéreo para que todos os trechos de cada especial esteja coberto pela equipe aérea”, disse Pelicano.
...Fonte: "Jornal Hoje em Dia"

Belotur festeja 30 anos de vida


São três décadas de história e comprometimento com a cidade, o turista e a população. Em sua trajetória, a Empresa Municipal de Turismo de Belo Horizonte (Belotur) tem participado efetivamente de todas as atividades turísticas e culturais da capital. Com regras e critérios definidos, o apoio a eventos acontece de forma institucional, operacional, de participação ou de auxílio financeiro.
O presidente da Belotur, Júlio Pires, destaca a importância da instituição no cenário econômico da cidade, no que diz respeito ao trabalho que realiza com o objetivo de incrementar o turismo, tornando-o fonte de renda e emprego para a população. “Além disso, procuramos associar o turismo de negócios às opções de lazer que o município oferece”, explica.
Para cumprir sua missão, a empresa fomenta eventos e atividades que auxiliam no desenvolvimento do turismo na capital, realiza e apoia ações para atrair visitantes, contribuindo com que esses permaneçam por mais tempo na cidade. Júlio Pires enfatiza que, além disso, o turista recebe todo o suporte necessário para que seja bem informado a respeito das opções de lazer, negócios e cultura de Belo Horizonte.Na capital, a Belotur possui seis postos de atendimento: no Aeroporto de Confins, no Mercado Central, no Mercado das Flores, na Rodoviária, no Centro de Referência Turística Álvaro Hardy (Veveco), além da própria sede, localizada na rua Pernambuco, 282, Funcionários.

Eventos

A cada ano, Belo Horizonte vem se consolidando como um dos principais destinos turísticos do país, com ênfase especial ao setor de eventos e negócios. O Departamento de Promoção Turística, com o objetivo de promover e divulgar o “Produto Turístico Belo Horizonte e Entorno” participou, ao longo de 2009, de 65 eventos, entre feiras, congressos, capacitações, salões e oficinas, além de workshops e captações de âmbito municipal, estadual e nacional. Criada pela lei 3.237, de 11/8/1980, a Belotur gerencia o turismo da capital mineira exercendo a supervisão, coordenação e direção das atividades inerentes ao desenvolvimento do turismo, lazer e serviços afins. Promove eventos relacionados ao calendário oficial de festas e eventos de Belo Horizonte, como o Carnaval, Arraial de Belô, aniversário da cidade, Natal e passagem do ano e apoia inúmeras festividades importantes da cidade tais como a Festa do Preto Velho, Festa de Iemanjá, Semana do Folclore, Festival Internacional de Corais, Encontro de Folia de Reis, Semana Santa, Comida de Buteco, Belô Sabor, Axé Brasil e Festival Internacional de Teatro & Rua, entre outros.

Principais projetos e ações para fomento do turismo, lazer, eventos e negócios


Projeto Escadaria: Criado para que os moradores e visitantes de Belo Horizonte conheçam um pouco mais das atrações turísticas e da cultura do interior mineiro. Todo domingo, um dos 42 circuitos turísticos do Estado expõe, na entrada da Prefeitura de Belo Horizonte, seus principais atrativos durante a realização da Feira de Artes e Artesanato da Avenida Afonso Pena.
Seu postal vai viajar: Promove e divulga a capital mineira e seus principais pontos turísticos. É ofertado aos participantes de eventos promovidos ou apoiados com a possibilidade de remeter, gratuitamente, cartões postais para parentes e amigos residentes em qualquer lugar do mundo.
Captação de eventos: Ação que vem recebendo incremento nos últimos anos realizado em parceria (ou não) com o Convention & Visitors Bureau (organização cooperativa de marketing, encarregada de vender a imagem da capital mineira para atrair negócios de turismo e canalizá-los para seus associados).
A relação de eventos, congressos, feiras e seminários que acontecem durante todo o ano em Belo Horizonte podem ser conferidos no site www.belotur.com.br.
...Fonte: "Prefeitura de BH"

10 de agosto de 2010

Fim de obras no Arrudas libera trânsito na Tereza Cristina


Com a conclusão das obras de rebaixamento do piso e de concretagem da parede e fundo do Ribeirão Arrudas, o trânsito foi normalizado, nesta segunda-feira (9), no trecho da Avenida Tereza Cristina entre as avenidas Presidente Juscelino Kubitschek e Nossa Senhora de Fátima, no sentido bairro/centro, Região Noroeste de Belo Horizonte. Isso significa que os motoristas já podem trafegar pelas duas faixas que estavam fechadas desde o último mês de março. Iniciadas em abril do ano passado, as obras reforçaram a vazão do Arrudas na tentativa de atenuar as enchentes, que assustam a população da região no período chuvoso. Segundo o meteorologista Ruibran dos Reis, as precipitações devem começar em setembro e há previsão de temporais.
Jane Gonçalves, 34 anos, não pode ver o tempo nublado que fica receosa e sente medo. Moradora da Rua Palestina, situada em frente ao córrego Ferrugem e paralela ao Arrudas, no Bairro Madre Gertrudes (Região Oeste) a dona de casa viveu de perto o drama das famílias locais no Réveillon de 2009, quando o ribeirão transbordou após chuvas fortes. Seis pessoas morreram afogadas, carros foram arrastados e a água invadiu dezenas de casas que margeiam a Tereza Cristina.
“Me lembro que a água chegou na altura dos fios de alta tensão. Sorte que minha residência tem um outro pavimento e pude ficar em cima da laje, acompanhando os móveis dos vizinhos e veículos que iam embora na enxurrada”, lembra Jane, ironizando que, no começo deste ano, a água só chegou no nível da sua garagem.
Jane conta que a Prefeitura de BH esteve no local para averiguar o quadro, mas que ninguém falou em mudanças. A Superintendência de Desenvolvimento da Capital (Sudecap) informou que planeja construir uma bacia de contenção no córrego Ferrugem para se evitar a sobrecarga no Arrudas e novas inundações. Mas, até o momento, só estão em execução as bacias no complexo dos córregos Bonsucesso e Olaria/Jatobá, ambas na Região do Barreiro. O chamado “piscinão” do Bonsucesso vai ser inaugurado em 2011, enquanto o outro depende do cadastramento das famílias que terão de ser removidas.
A vista da janela da cozinha de Kelly Oliveira, 28, e a mãe Cleusa Oliveira, 55, é justamente o córrego Bonsucesso. Portanto, elas convivem diariamente com a incerteza do que vai acontecer nos meses chuvosos. Cleusa espera que a bacia funcione e que nunca mais precise se deparar com o cenário de destruição verificado em 2009.
“Duas residências vizinhas desmoronaram com a força da correnteza. Nós saímos correndo com as crianças, tentando salvar o que encontrávamos e fomos para áreas altas”, recorda-se. Para Cleusa, já passou da hora das autoridades tomarem providências.
De acordo com assessoria da Coordenadoria Municipal de Defesa Civil, nenhuma família corre risco de vida por causa de desmoronamentos ou deslizamentos na capital. A Prefeitura afirma também que a Companhia Urbanizadora de BH (Urbel) mapeou as regiões críticas. Segundo a PBH, entre outubro de 2009 e abril de 2010, os técnicos realizaram mais de 4.200 vistorias em moradias de vilas e favelas. Foi preciso remover 359 famílias, sendo 298 de forma definitiva e 61 temporária.
...Fonte: "Jornal Hoje em Dia"

9 de agosto de 2010

PBH discute ações nas áreas de Educação e Juventude para planejamento estratégico de longo prazo


A Prefeitura de Belo Horizonte começou nesta sexta-feira, dia 6, o ciclo de reuniões temáticas para discutir o planejamento para Belo Horizonte em 2030. Com o tema Educação e Juventude, a coordenadora do programa BH Metas e Resultados, Beatriz Goes, destacou os investimentos e as ações que devem ser feitos nessa área para chegar à cidade que queremos daqui a 20 anos. O encontro aconteceu na sede da Prefeitura (avenida Afonso Pena, 1.212, Centro).
Os principais aspectos abordados foram a redução da taxa de analfabetismo e de mortalidade, a extensão do tempo de estudos e a melhoria do Índice de Desenvolvimento de Educação Básica (Ideb). Beatriz salientou ainda algumas ações já em execução através do programa BH Metas e Resultados para atingir a cidade desejada. Ações como a expansão dos centros de saúde para atendimento a usuários de álcool e drogas, a expansão de vagas na educação infantil e construção de novas Umeis, expansão dos projetos Escola Integrada e Escola Aberta, construção de escolas municipais, reforço escolar nas áreas de matemática e português, instalação de câmeras de vídeos e implantação da Guarda Municipal nas escolas, investimentos em segurança pública, qualificação profissional, promoção do esporte com ampliação do Programa Segundo Tempo, reformas das quadras e investimentos na área de cultura.
Ao acompanhar as apresentações, o prefeito Marcio Lacerda salientou o empenho de todas as áreas da Prefeitura na elaboração das ações, projetos e programas que estão sendo discutidos para a cidade daqui a 20 anos. “Queremos ajudar a construir o futuro da capital para 2030 com a maior participação possível e a Prefeitura tem se empenhado principalmente na área da educação, que é uma das áreas mais importantes, com o seu avançado quantitativo e qualitativo. A educação sempre será a base de qualquer futuro de qualidade”, afirmou.
A secretária municipal de Educação, Macaé Evaristo, destacou o objetivo principal do planejamento estratégico na área de educação. “Nosso foco com o planejamento é traçar metas para nossa cidade em relação ao desenvolvimento de Belo Horizonte, e a educação é um ponto fundamental no desenvolvimento da cidade. Temos que trabalhar muito no ponto de vista da universalização da educação básica. Esse é um ponto que está colocado em debate dentro da construção desse planejamento de BH para 2030”, afirmou.
Segundo o secretário municipal de Planejamento, Orçamento e Informação, Helvécio Magalhães, o conhecimento será o principal motor da economia nos próximos anos, associado à mão de obra qualificada. “Belo Horizonte tem muito que se destacar nesse sentido, pois tem tradição e escolas e universidades que são referências nacionais”, disse. Outro aspecto destacado pelo secretário foi a melhoria do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) da região metropolitana, por isso a necessidade se de promover ações cada vez mais articuladas junto aos 34 municípios na solução de problemas comuns.
Na segunda-feira, dia 9, será realizada a reunião temática sobre infraestrutura, seguida pelas reuniões nas áreas da Assistência Social, Segurança e Cultura, Desenvolvimento Econômico e Saúde. O planejamento estratégico está disponível para consulta no site www.pbh.gov.br/bhmetaseresultados.
...Fonte: "Prefeitura de BH"

6 de agosto de 2010

Garrafa usa raios ultravioleta para esterilizar água



Um estudante de desenho industrial da Universidade de Loughborough, no Reino Unido, criou uma garrafa que acaba com a necessidade de usar pastilhas de cloro e iodo para esterilizar (tirar os germes) a água - uma solução que leva 30 minutos para fazer efeito e que deixa um gosto estranho no líquido.
Batizada de Pure (pura, em inglês), ela usa luz ultravioleta para deixar a água potável. Um protótipo da garrafa foi testado e provou ser capaz de esterilizar 99,9% das bactérias e vírus, revelou, nesta quinta-feira (5), o jornal inglês Daily Mail.
Timothy Whitehead teve a ideia enquanto fazia uma viagem a Zâmbia, na África. Ele começou a fazer experiências usando a luz ultravioleta para esterilizar água rapidamente, sem alterar o sabor. Testes mostraram que a Pure é capaz de deixar a água potável em apenas dois minutos.
A água suja de um lago, um rio ou uma poça é colocada na câmara externa da garrafa. A câmara interna filtra partículas de água do tamanho de quatro mícrons (um milionésimo de metro). Assim que o líquido fica livre do sedimento é esterilizado durante um minuto e meio por meio de uma lâmpada ultravioleta.
Segundo Matthew Harrison, professor da Academia Real de Engenharia, a garrafa representa uma solução prática para resolver um problema real: “como obter água potável nos ambientes mais hostis”.
A garrafa de Whitehead foi escolhida para representar o Reino Unido no James Dyson Award, um prêmio internacional de design, cujo desafio é criar um produto que resolva algum problema.
O vencedor, que será anunciado no dia 5 de outubro, leva um prêmio de R$ 27,8 mil e o departamento da universidade onde estuda outros R$ 27,8 mil.
...Fonte: "r7.com"

FIT tem plateia cativa no obelisco da Praça 7

Arquibancada de 4 faces com degraus vermelhos é uma das intervenções que ‘transforma cidade em espetáculo’


Uma arquibancada com quatro faces de degraus vermelhos foi montada nesta quinta-feira (5) no obelisco da Praça 7, no Centro de Belo Horizonte. A estrutura é parte das intervenções urbanas tramadas para o Festival Internacional de Teatro de Palco e Rua de Belo Horizonte (FIT). A 10ª edição do Fit começou na quinta-feira, e a ampla programação vai até o dia 15 de agosto.
A intenção, explicam os autores da intervenção – o cenógrafo Paulo Pederneiras e o arquiteto Fernando Maculan – é transformar, neste período, o ponto central da capital em uma plateia de teatro. “O espetáculo é a cidade. A cidade é viva, cada história é diferente, interessante. Esses degraus são um convite à população para se sentarem aqui e apreciarem. Esperamos que também sirva de palco para artistas de rua, manifestações espontâneas”, comenta Paulo Pederneiras.
Segundo ele, o objetivo é que as pessoas reflitam sobre a arte. “Um pedreiro que passa apressado para o trabalho, o executivo que vai ao dentista, a dona de casa caminhando devagar, desesperada, depois de descobrir que o marido tem outra família. Todos esses são personagens possíveis da cidade, que talvez estejam passado por aqui agora”, disse o artista, sentado em um dos degraus do obelisco da Praça 7, na manhã de quinta-feira.
Além dos quatro degraus de madeira, montados sobre estruturas metálicas e pintados de vermelho, quatro faixas da mesma cor foram pintadas sobre as áreas que não são ocupadas pelos carros. Vista de cima, a intervenção lembra uma cruz vermelha, bem no meio da capital. “É a identidade visual do Festival, mas cada um faz a interpretação que quiser”, destaca Paulo.
Como ação de divulgação do festival, artistas circenses interagiam com os transeuntes, em especial as crianças, que passavam pela Praça 7 entre as 10 horas e o meio-dia de quinta-feira. Entre os que pararam para ver o homem na perna-de-pau, o malabarista e palhaço estava o técnico em Mineração Wandick Teixeira. Parou, fotografou e filmou.
Natural de BH, Wandick está de férias na capital. Há coisa de dois anos trabalha na pequena cidade de São Sebastião da Vargem Alegre, na Zona da Mata mineira. “Estou registrando para mostrar para as pessoas da cidade onde trabalho o que é Belo Horizonte. Pela proximidade geográfica, a referência das pessoas de lá é o Rio de Janeiro. Estou filmando para mostrar a arte, a beleza que é a cidade. Eu morro de saudade. Mas infelizmente não dá minério de ferro na Praça 7”, diz.
Para o artista circense Derick Carvalho, que operava os malabares e dava caronas para os pequenos enquanto andava no monociclo, o festival é mais uma mostra de que BH é uma cidade que respira arte. “O festival é muito bacana. Tem gente do mundo inteiro, os grandes, mas também a gente, da capital, que trabalha bastante”, comentou.
...Fonte: "Jornal Hoje em Dia"

Palácio da Liberdade é reaberto para visitação

Diferente das outras vezes, espaços que antes não eram abertos ao público, como os jardins, a capela e o quarto do governador poderão ser visitados



 No próximo domingo (8), o Palácio da Liberdade reabre seus portões para visitação. Diferente das outras vezes, espaços que antes não eram abertos ao público, como os jardins (originalmente projetados por Paul Villon, em 1899), a capela e o quarto do governador poderão ser visitados. Integrado ao Circuito Cultural Praça da Liberdade, o espaço será aberto à visitação pública todos os domingos, das 9 às 13 horas. Além de gratuito, o programa é uma verdadeira viagem aos bastidores das histórias dos governantes de Minas.
No trajeto da visita, que conta com guia próprio e dura uma média de 30 minutos, o público passa pelos 30 cômodos. Outra parte da programação é o hasteamento de bandeiras e troca de guardas, a partir das 8h30, em frente ao Palácio da Liberdade, que acontecerá no último domingo de cada mês. A cerimônia foi trazida e adaptada em 1984 por dois oficiais que estiveram em Londres, em visita ao Palácio de Buckingham, onde o mesmo tipo de evento é atração turística.
Entre as riquezas destacadas pelo Superintendente de Administração dos Palácios, Frederico Marinho, está a escadaria, logo no hall de entrada, em estilo art-nouveau, fabricada na Bélgica. “Além de conhecer um pouco mais da história republicana de Minas e do Brasil , as pessoas ainda têm a possibilidade de admirar toda a beleza arquitetônica e o requinte do edifício inaugurado em 1897”, disse Marinho. Projetado pelo engenheiro-arquiteto pernambucano José de Magalhães em estilo eclético, com predominância de elementos neoclássicos com influência da arquitetura francesa, o Palácio da Liberdade foi erguido pela Comissão Construtora da Nova Capital.
Parte dos materiais vieram da Europa e consequentemente a mão de obra teve que ser especializada. O resultado foi uma edificação (tombada pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais - Iepha, em janeiro de 1975) requintada e imponente.
Para se ter uma ideia da sofisticação, as armações de ferro das escadarias e as estruturas metálicas da cobertura vieram da Bélgica, as telhas, de Marselha, e o pinho-de-riga, madeira utilizada no piso, da Letônia. Para a pintura e decoração, foi contratado o artista Frederico Antônio Steckel, que veio do Rio de Janeiro trazendo uma equipe de decoradores nacionais e estrangeiros. O resultado de seu trabalho pode ser admirado nos tetos, nas paredes e nos ornamentos. As peças do mobiliário, tapeçarias, cristais, porcelanas e talheres também foram trazidos da Europa, principalmente da França. A fachada principal e balaustradas das entradas laterais foram executadas por Antônio Teixeira Rodrigues, o conde de Santa Marinha.
A visitação segue roteiro estipulado por técnicos do Iepha, para garantir a segurança do acervo. O visitante deve apresentar documento de identidade na entrada, depositar pertences pessoais nos guarda-volumes e, durante a visita guiada, é proibido o consumo de bebidas, lanches, uso de calçados de salto agulha, filmadoras ou máquinas fotográficas no interior do prédio.
Informações pelo telefone (31) 3217-9523 ou pelo e-mail administracaodepalacios@governo.mg.gov.br

BH entra no circuito das meias maratonas internacionais

Belo Horizonte entra no circuito internacional das meias maratonas. A capital mineira recebe no domingo, dia 8, a partir de 7h30, na orla da Lagoa da Pampulha, a Meia Maratona Internacional de Belo Horizonte. A competição faz parte da política de apoio, organização e realização de eventos esportivos e de lazer da Prefeitura de Belo Horizonte (PBH), através da Secretaria Municipal Adjunta de Esportes. A partir de agora, a competição acontecerá anualmente em Belo Horizonte, projetando a cidade através do esporte, acelerar a economia e o turismo, atrair atletas do primeiro escalão para as ruas da capital. O objetivo é, no futuro, promover uma maratona completa, com 42 quilômetros. A meia-maratona, obviamente, possui 21 quilômetros de percurso.
Estão sendo esperados 2.500 participantes na competição de domingo, distribuídos pelas categorias deficiente, elite feminina, elite masculina, e por faixas etárias que percorrerão o trecho entre a Praça Geralda Damata Pimentel e o Iate Tênis Club, com retorno ao mesmo local de partida. Entre 7h e 13h, o trânsito estará fechado a veículos em toda a orla da Lagoa da Pampulha e em parte da avenida Clóvis Salgado. Os corredores atravessarão o Parque Ecológico e o público que comparecer poderá apreciar a beleza da Pampulha, com atrativos como a Igrejinha de São Francisco, a Casa do Baile e o Museu de Arte.
Entre os atletas que vão participar, estão alguns funcionários da PBH, entre eles uma equipe da Superintendência de Limpeza Urbana (SLU) composta por um eletricista, Laci Lacerda, e quatro garis, Milton Salgado Marinho, Carlos Roberto Rodrigues, Osvaldo Ferreira de Jesus e Manoel Messias, que têm participado de várias corridas de rua no Brasil e no exterior.
...Fonte: "Prefeitura de BH"

5 de agosto de 2010

Umidade relativa do ar deve aumentar nesta quinta


A partir desta quinta-feira (5), a umidade relativa do ar deve aumentar em Belo Horizonte, de acordo com informações do 5º Distrito de Meteorologia, devido a uma frente fria que chegou à Região Sudeste e provocou chuvas, principalmente no Rio de Janeiro. Os ventos do litoral devem trazer mais umidade para Minas Gerais, nos próximos dias. Durante a semana o índice chegou a 30%, quando o recomendável é 50%. A baixa umidade do ar provoca ou piora doenças respiratórias e é preciso cuidados especiais, principalmente com as crianças.
Segundo o meteorologista Jorge Luiz Moreira, nesta quarta-feira (4) houve aumento na umidade do ar, que chegou a 42%, depois da média de 35%, em Belo Horizonte. Ele observa que o período mais crítico é à tarde.
As crianças, por terem vias respiratórias mais estreitas, estão mais sujeitas a inflamações que precisam de cuidados especiais, segundo a diretora do Hospital Infantil João Paulo II, antigo Centro Geral de Pediatria, da Fundação Hospitalar de Minas Gerais (Fhemig), Helena Maciel. Ela disse que, neste período, é comum um aumento em 30% no número de atendimentos, o que chega a 220 por dia.
Mas Helena Maciel observa que a vacinação contra a gripe H1N1 contribuiu para a diminuição dos atendimentos. “As pessoas ficaram mais tranquilas, sabendo que seus filhos estão vacinados e só procuram o nosso serviço quando realmente precisam”. A médica recomenda que os pais hidratem as crianças e sirvam alimentos mais leves, além de evitar que brinquem em ambientes abertos. “Como o ar está seco, elas se esforçam mais para respirar e acabam se sentindo mal”. Bacias de águas também são importantes para umidificar os ambientes.
..."Fonte: Jornal Hoje em Dia"

4 de agosto de 2010

Estação Leitura do Metrô-BH comemora um ano de criação


Pesquisas constatam: o brasileiro lê pouco. Um levantamento do Instituto Pró-Livro aponta que no Brasil há 77 milhões de “não-leitores”. Outros 95 milhões leem apenas 1,3 livros, em média, por ano. Nesta contramão, a Estação Leitura do Metrô-BH comemora na quarta-feira (3) um ano de criação com o saldo de pouco mais de 10 mil empréstimos realizados por 1.590 sócios, uma média de 6,28 de livros por usuário somente neste primeiro ano. Para marcar a data, às 16 horas, os usuários da Estação Central, onde a unidade está localizada, terão uma sessão de contação de histórias. Às 17 horas haverá a aresentação de um teatro de bonecos. As atrações são gratuitas e acontecem na escadaria interna do terminal.
Dos 1.590 associados da Estação Leitura Metrô-BH, quase 62% estão na faixa etária de 21 a 40 anos. A maioria, 1.061, reside na capital, seguido de leitores de Contagem (282) e Betim (75), ambas na Região Metropolitana de Belo Horizonte. O número mais expressivo, de acordo com o diretor-geral do Instituto Brasil Leitor (IBL), William Nacked, diz respeito às mulheres. “Representam 67% dos associados. Isso é maravilhoso. Essas mulheres, realmente, estão dominando”, observa Nacked, idealizador da biblioteca.
Exemplo disso é a jovem aprendiz Verônica Francine Ferreira Pereira, 19 anos, moradora do Bairro Monte Azul, Região Norte da capital. Há dez meses cadastrada na biblioteca, ela já retirou 27 títulos (2,7 livros lidos por mês). “Ia fazer o cadastro na Biblioteca Pública (na Praça da Liberdade, Região Centro-Sul da capital). Mas como passo aqui todos os dias para trabalhar, a acessibilidade ficou muito melhor”, afirma.
Na terça-feira (2), a jovem pegou a obra “A Maçã no Escuro”, de Clarice Lispector. Na mesma hora, a universitária Izteliane Viana Santos, 19 anos, esteve na Estação Leitura para buscar “Gomorra”, de Roberto Saviano. “Escolhi no catálogo. Tem um milhão de livros aqui. Dá vontade de levar todos”, disse. A Estação Leitura tem atualmente 2.213 títulos. Os mais emprestados são os de literatura, representando quase 50% das retiradas. Em seguida, com 16%, são os de autoajuda.
A ideia de instalar uma biblioteca dentro da estação do metrô partiu do Instituto Brasil Leitor (IBL). “É uma grande vitória. Estamos mostrando que o brasileiro gosta de ler, sim. E o que é melhor: enquanto dizem que eles gostam de livros de autoajuda, identificamos que cerca de 75% dos sócios das bibliotecas criadas por nós procuram best-sellers nacionais e internacionais, além de clássicos”, comemora William Nacked.
Para José Dória, superintendente do Metrô-BH, a iniciativa é válida pois passou a atingir todas as camadas sociais da população. “Na Estação Central passam, diariamente, cerca de 20 mil pessoas. É uma opotunidade que elas têm de pegar uma obra e ler durante a viagem. Como veículos de passagem de pessoas, temos um papel muito importante na disseminação da leitura”, avalia.
No próximo mês, o diretor-geral do IBL pretende vir a Belo Horizonte iniciar conversas com a BHTrans para mais uma parceria. A intenção é instalar mais uma biblioteca em um dos terminais de ônibus na capital. “A ideia é bem ambiciosa”, enfatiza.
...Fonte: "Jornal Hoje em Dia"